Lidiette Quesada - 20 anos na EBSCO

Postado 25-11-2021 dentro Corporations Healthcare Libraries

Faz 20 anos desde que Lidiette Quesada iniciou sua jornada na EBSCO, tomamos um café virtual com a Vice-Presidente de Vendas da EBSCO para a América Latina e Caribe e olhamos para trás ao longo destas duas décadas, conversamos sobre como ela imagina o futuro, o que valoriza em sua equipe e como encara a vida e o trabalho em geral. Saiba mais sobre a Lidiette, que este ano de 2021, comemora este importante marco em sua carreira.

20 anos! O que lhe vem à mente depois de tantas coisas que imaginamos que aconteceram em sua vida profissional e pessoal.

Muitas coisas vêm à mente depois de 20 anos. Mas eu gostaria de compartilhar o que me deu mais satisfação. Em 2001, quando comecei, muitas bibliotecas da região tinham acesso muito limitado ao conteúdo científico em formato eletrônico. No início, apenas alguns periódicos estavam disponíveis em formato eletrônico. Foi a EBSCO, através de seu modelo de bases de dados, que tornou possível o acesso a grandes coleções de periódicos da mais alta qualidade em formato eletrônico para muitas universidades da região. É uma sorte ter participado de iniciativas através das quais trouxemos acesso ao conteúdo científico para as comunidades científicas e acadêmicas de países inteiros. Trabalhamos com AUPRIDES em El Salvador, o Conselho de Bibliotecas Acadêmicas da Guatemala, ALTAMIRA no Peru, INASP PERI na Bolívia, Honduras, Nicarágua, Equador e CONACyT no Paraguai para facilitar o acesso a nossas bases de dados a preço de custo, através de modelos que garantiram a sustentabilidade financeira a longo prazo e garantiram a maximização de seu uso. É por isso que hoje posso afirmar, com grande satisfação, que além de contribuir para a expansão do acesso à informação científica na região, também desempenhamos um papel muito importante na alfabetização da informação de suas comunidades acadêmicas.

Também me vêm à mente imagens de muitas pessoas da comunidade da biblioteca que passaram por minha vida nestes vinte anos e que me ajudaram a crescer como profissional. Imagens de minhas primeiras visitas e reuniões com bibliotecários.No início com algum medo e insegurança, mas depois com confiança por estar entre amigos, entre colegas que, além de suas bibliotecas, muitas vezes também abriram as portas de suas casas para mim. Imagens felizes de conferências, almoços, cafés, confraternizações, apresentações, conversas agradáveis, celebrações, viagens e às vezes também momentos difíceis. O tempo compartilhado com minha equipe é outro tesouro destes vinte anos. Com eles visitamos todas as bibliotecas de todos os países da região. Passamos muitas horas nos aeroportos, às vezes dormindo em hotéis muito agradáveis e às vezes não tão agradáveis, apreciamos as delícias da comida local, mas também tivemos que nos contentar com um sanduíche no avião, trabalhamos dias que às vezes pareciam nunca terminar, mas apreciamos cada minuto porque todos amamos o que fazemos, nossos clientes e a EBSCO.

O que você imagina que estará fazendo daqui a 20 anos?

Nos próximos 20 anos eu gostaria de estar ainda aqui na EBSCO, falando sobre como obter informações científicas para aqueles que precisam delas, onde precisam delas e visitando bibliotecas na América Latina. Mas, o mais realista é que estarei aposentada e por aí, mimando os netos e contando-lhes histórias da EBSCO.

Muita coisa mudou nos últimos 20 anos no mundo das bibliotecas, da informação e da pesquisa científica. O que mais te surpreendeu em termos de evolução?

É verdade que muita coisa mudou. Hoje falamos muito mais sobre ciência aberta e acesso aberto do que quando eu comecei. Mas o que me surpreende e me conforta é que as bibliotecas continuam a desempenhar um papel central na vida das instituições que as abrigam. Hoje a conversa é como manter esse papel central através de novos serviços e novas formas de entender o papel da biblioteca em um contexto de constante mudança e desafio. A pandemia representou um enorme desafio para o ensino superior em todo o mundo e foram as bibliotecas e seus fornecedores que melhor se equiparam para responder a ela.

Como você vê a EBSCO daqui a 20 anos? Que produtos, soluções e serviços você acha que serão oferecidos?

É difícil ver vinte anos à frente nestes dias. A tecnologia está em constante mudança e com ela as empresas e instituições e os serviços que oferecemos. O que eu tenho certeza é que qualquer que seja nosso portfólio de serviços, ele será o que melhor atende às necessidades de nossos clientes em todo o mundo. Porque isto é algo que tenho visto da EBSCO nos últimos 20 anos. A EBSCO está constantemente refletindo sobre a melhor maneira de servir nossos clientes.

O que você mais valoriza em sua equipe e o que você procura nas pessoas que se reportam diretamente a você?

Eu tenho uma equipe fantástica, com muitos atributos que valorizo. Para fazer parte da equipe EBSCO você tem que aderir aos princípios do que chamamos aqui de “The EBSCO Way”. Estes princípios inspiram nosso trabalho e nossa vida pessoal e são muito importantes para mim. Eles têm a ver com uma atitude positiva em relação à vida, o cultivo da paixão pelo que fazemos, a busca de constante aperfeiçoamento e aprendizagem, nossa disposição e compromisso com nosso trabalho e com nossos clientes, e liderança com humildade. Se você olhar com atenção, estes são atributos que todos os meus colegas da equipe representam muito bem. Rostos felizes e sorridentes, comprometidos e sempre prontos para ajudar, tendo seus clientes sempre em mente, inquietos, curiosos, procurando ser melhores a cada dia.

Qual é seu segredo para manter viva a energia, o entusiasmo e a jovialidade?

Bem, amar o que fazemos ajuda a manter um bom rosto. E não estou falando apenas de trabalho, mas de todas as esferas da vida. Fazer o que fazemos com compromisso e de maneira constante.

Finalmente, você poderia recomendar um livro que tenha marcado você?

Bem, eu geralmente leio ficção. Eu tento ler um livro em cada uma de minhas viagens. Mas o livro que me fez pensar durante meses é um livro sobre lingüística chamado “Metaphors We Live By”, de George Lakoff e Mark Johnson. A primeira edição foi publicada em 1980 pela Chicago University Press e em 2003 a mesma editora trouxe uma edição revisada. É um livro fascinante no qual os autores argumentam que a mente humana tem uma propensão para a metáfora, e que precisa dela para entender o mundo. Em outras palavras, a metáfora não é um recurso da linguagem literária, mas está muito mais presente na vida cotidiana do que tendemos a perceber. Um dos exemplos que eles dão é a imagem da relação amorosa como uma viagem, e como falamos de “estamos nos movendo muito rápido em nossa relação”, ou “estamos em uma encruzilhada”, ou “estamos em uma encruzilhada”, ou que “precisamos desacelerar” ou “seguir caminhos diferentes” e, no pior dos casos, que “nossa relação está naufragada”. E se você parar para pensar você vai começar a ver metáforas em todos os lugares. As discussões podem ser guerras em que os argumentos são atacados e contra-atacados, a cabeça é um recipiente onde podem estar muitas coisas, a economia é um ser vivo que sofre, superaquece, contrata e às vezes é muito saudável, e as pessoas são máquinas que perdem seus parafusos. Está vendo por que este livro despertou em mim tanto interesse?

​Fotos do archivo pessoal de Lidiette:

Share this: